Slide Show


 

Banner

104 anos de Perdões: Visita importante

Publicado em: 22/05/2017 às 9:55 - Categoria Cultura
Total de visualizações: 499

Importante? Não!
Im-por-tan-tís-si-ma!
Que visita poderia ser mais importante que da Mãe de Deus?
“Ansiosos pela visita de Nossa Senhora, às comunidades de nossa Paróquia Nossa Senhora das Graças, no dia 14 de maio, dia mães. Grande a nossa alegria por a mãe de Nosso Senhor e nossa, nos visitar”.
Assim expressou Padre Jorge no dia 6 de março, quando recebeu tão grata notícia.
Ele achou que era tempo demais para permanecer nessa expectativa. Mesmo assim, começou os preparativos. E que preparativos!
Como me “apelidaram de escritora”, gosto e preciso observar tudo que me compete para “semear boas notícias”. E poderia ter melhor notícia?
Dom Miguel disse aos seus sacerdotes, quando da visita, que a Diocese de Oliveira fez ao Santuário de Aparecida: “Vivamos juntos esse momento de graças”
Nós, aqui na Paróquia de Nossa Senhora das Graças, Diocese de Oliveira, em Perdões, MG, estamos, também vivendo esse momento tão precioso e tão raro.
Infelizmente não fui. Também esperei ansiosa, feliz, contando dia a dia para 14 de maio, chegar. Não deu. Gripada, tossindo. Achei melhor reservar minha saúde para acompanhar a Mãe, durante a semana. Não sei. Acho que o frio que sentia era só meu.
Nas imagens que vi no Facebook, parecia que ninguém estava como eu.
Resignei-me.
Hoje, 15 de maio, ao abrir o computador, deparei-me com Padre Jorge elevando a imagem da Mãe Aparecida. Sorri sozinha. Alegre! Que “cara” mais cheia de preceitos estava nosso querido e jovem padre. Era felicidade? Amor? Alegria? Fé? Liberdade para transportar a Virgem até a Matriz em seus braços?
E que trono! Desde os degraus da escada, senti-me como se estivesse lá.
O desvelo, o carinho e bom gosto como foi preparado. Digno de quem ia usá-lo.
Dois vasos enormes com rosas brancas, símbolo de tudo que estava ali.
Um pedestal à altura de quem ocupou-o.
Não me contive. Um arrepio suave, por achar tudo tão majestoso, percorreu-me da cabeça aos pés. Tudo branco novamente. Desde coroinhas até os padres. Era o céu!
A Mãe vigiava. O desejo dela é que ali naquela massa humana, só tivesse filhos seus, verdadeiros.
A missa foi campal. A ansiedade do Padre, teve fim. Agora era só Fé, Piedade, Amor, Alegria, Sorrisos, Paz! A Paz de Cristo.
Agora vou apresentar um retrato. Será que esse retrato, atinge nossas mães?
Mãos à obra. Retrato de Mãe.
Como alguém já disse que minhas mãos foram feitas para usar papéis, lápis e canetas, tornando visíveis meus sentimentos; transformando papéis coloridos em cruzes, estrelas, sol, árvores de Natal (para alegrar crianças) vou descrever uma Mãe que tanto pode ser a minha, a sua, as nossas mães, e até a Mamãe de Deus. Quem sabe?
Do livro “As veredas de Alba nos barcos da vida”, na página 325.
Retrato de Mãe – “Uma simples mulher existe que, pela imensidão de seu amor tem um pouco de Deus, e pela constância de sua dedicação tem um pouco de anjo; que, sendo moça, pensa como uma anciã e, sendo velha, age com todas as forças da juventude; quando ignorante, melhor que qualquer sábio desvenda os segredos da vida, e, quando sábia, assume a simplicidade das crianças.
Pobre, sabe enriquecer-se com a felicidade dos que ama e, rica, empobrecer-se para que seu coração não sangre, ferido pelos ingratos.
Forte, entretanto, estremece ao choro de uma criancinha, e fraca, entretanto se alteia com a bravura dos leões; viva, não lhe sabemos dar valor
porque à sua sombra todas as dores se apagam, e, morta, tudo o que somos e tudo que temos daríamos para vê-la de novo, e dê-la, receber um aperto de seus braços, uma palavra de seus lábios.
Não exijam de mim que diga o nome dessa mulher, se não quiserem que ensope de lágrimas este álbum: porque eu a vi passar no meu caminho.
Quando crescerem seus filhos, leiam para eles esta página: eles lhe cobrirão de beijos a fronte; e dirão que um pobre viandante, em troca da suntuosa hospedagem recebida, aqui deixou para todos o retrato de sua própria MÃE…’’ (Autor desconhecido).
Bem. Agora, desejo que todas as mães tenham pelo espaço de 365 dias, muita Paz, Sorrisos, Alegria,Amor, Piedade e Fé.
Viva nossas mães! Viva a Mãe Aparecida!
Amém! Amém! Amém!


Por Alba Rezende Bastos (D.Iaiá)

 


MAIS LIDAS


anuncie