Slide Show


 

Banner

Cavalhada em São Sebastião da Estrela: uma tradição que atravessa gerações

Publicado em: 18/02/2018 às 11:07 - Categoria Polícia
Total de visualizações: 371

Nos dias 11, 12 e 13 de fevereiro foi realizada na Praça do Rosário, a Cavalhada de São Sebastião da Estrela, distrito de Santo Antonio do Amparo – um evento que faz parte do calendário do Carnaval da região, uma tradição de 56 anos, passada de pai para filho.
A reportagem do Jornal VOZ esteve presente na abertura, domingo, dia 11. A arquibancada ficou lotada de amparenses e visitantes de outras cidades, mesmo com o sol escaldante.
Nesse dia houve uma singela homenagem a Darlei dos Reis, conhecido como Tiolinha (que após um acidente, faleceu no dia 19 de novembro de 2017). O senhor José Antônio Pimenta escreveu uma emocionante mensagem e presenteou Dona Francisca e Wesley (mãe e filho de Tiolinha) como forma de carinho de todos que apreciam e fazem parte da cavalhada.
Nesse dia o bandeireiro foi Vinícius que recebeu aplausos e o carinho da torcida.
Também marcou presença o deputado estadual Emidinho Madeira que ao lado do vereador Ricardo Pereira e outras autoridades políticas prestigiaram e cumprimentaram o vencedor.
O bandeireiro da tarde do dia 12 foi Patrício e do dia 13, terça-feira, foi Gabriel da Gilda, ambos com uma torcida animada.

A Cavalhada recria os torneios medievais e as batalhas entre cristãos e mouros (séc. XIII), cada um com uma cor diferente. Os cavaleiros desfilam pelas ruas e depois dirigem-se à praça.
No início o público assiste uma série de apresentações dos cavaleiros representando a luta que aconteceu entre mouros e cristãos.
A encenação foi herdada de Portugal, mas no Brasil, especialmente no interior de Minas Gerais, as cavalhadas ganharam novas características, ou seja, adaptações, como as máscaras, os enfeites das montarias, acessórios do folclore mineiro.
A batalha inicia com o reconhecimento das tropas e depois com as espadas em punho, os cavaleiros numa cavalgada em sincronia batem as espadas como se estivessem lutando.
O fim da guerra é representando pelos cavaleiros quando eles, lado a lado – percorrem o campo com as espadas cruzadas.

Milhares de pessoas de cidades vizinhas estiveram no Distrito durante os três dias para assistir as apresentações.
Parabéns aos organizadores e todos que se empenham para a continuação dessa tradição!

Veja algumas fotos na Galeria VOZ e outras na página do Jornal VOZ no facebook.


Por Regina Bertoni

 


MAIS LIDAS


anuncie