Slide Show


 

Banner

Mulher denuncia tentativa de roubo da filha e diz ter sido vítima de racismo em parada de viagem em Perdões

Publicado em: 28/06/2017 às 8:52 - Categoria Polícia
Total de visualizações: 327

Ela relata que caso ocorreu em uma parada de viagem entre São Paulo e Belo Horizonte e que suspeita apresentou certidão falsa.

A estudante universitária Jamille Azevedo, 22 anos, diz ter sofrido uma tentativa de roubo da filha, que tem um ano e cinco meses, nesta segunda-feira (26), durante uma parada de viagem entre São Paulo e Belo Horizonte. Ela usou uma rede social para denunciar o ocorrido e afirma ter sido vítima de racismo ao tentar provar que era mãe da criança.
Ela é moradora de Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e havia viajado para encontrar o marido, que mora em outro estado. A jovem, que é negra, conta que desembarcou em Perdões, no Sul de Minas, para ir ao banheiro, quando uma mulher se aproximou da filha.
“[…] Na saída uma moça bonita com aparentemente uns 30 anos deu a mão a ela [criança]. Eu achei que ela estava brincando então não me importei muito, quando do nada essa moça começou a gritar: solta a minha filha […]. Ela veio atrás gritando e tentando puxar a minha filha do meu colo. Ninguém fazia absolutamente nada!!!! Quando um rapaz (funcionário) chegou perto e perguntou o que estava acontecendo e ela respondeu: Essa preta roubou a minha filha”, relatou em rede social.
De acordo com a estudante, o funcionário a “olhou de cima a baixo” e perguntou se teria como provar que era mãe da criança. Jamille, disse que, neste momento, a mulher mostrou uma certidão falsa – na qual constava o nome de outra criança.
“Vi meu mundo cair, pegaram a minha filha do meu colo e entregaram a ela. Vi ela andando em direção ao carro com a minha filha no colo”, descreveu. A mãe justifica que ficou tão desesperada e não teve a reação imediata de tirar da bolsa a identidade com foto e o CPF da filha.
Tudo aconteceu muito rápido, em cerca de dez minutos, conforme Jamille. “Por fim, depois de mostrar nossos documentos e fotos me ajudaram a pegar a minha filha. […] Eu vim embora com uma sensação horrível, de que isso ainda vai acontecer muitas e muitas vezes e por causa do racismo e preconceito quase eu perco a minha filha”, desabafou. Na parada anterior, já teria ouvido de outra pessoa que “a menina era muito branquinha” para ser filha dela.
Ainda em Perdões, conta que chamou a polícia, mas decidiu seguir viagem e registrar o boletim em Belo Horizonte. “O motorista do ônibus falou que não iria me esperar pois tinha horário”, diz trecho do post. Segundo a estudante, algumas pessoas que estavam na parada e acompanharam o drama dela ajudaram a conter a suspeita e se comprometeram a esperar a polícia. O que aconteceu depois, disse ainda não saber.
Dificuldades para registrar boletim
No desembarque na capital mineira, já à noite, Jamille afirma não ter conseguido registrar o boletim no posto da Polícia Militar (PM) dentro da rodoviária por não estar na cidade de ocorrência do fato e não ter o nome da mulher que tentou levar a criança.
Na manhã desta terça-feira (27), se frustou novamente. Disse que esteve na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher em Betim e foi informada pela segunda vez que o registro deveria ter sido feito em Perdões. Somente numa terceira tentativa, o boletim foi feito na 2ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Betim.
De acordo com a Polícia Civil, como o caso não era especializado da Delegacia de Mulheres, a estudante foi orientada a se dirigir à 2ª Delegacia Regional, que fica no mesmo prédio. O registro foi feito por tentativa de rapto e injúria racial, e a investigação será transferida para a delegacia de Rio Vermelho, que atende a cidade de Perdões.

 


Fonte: G1.com/suldeminas


MAIS LIDAS


anuncie