104 anos de Perdões – Comemoração disto, daquilo e mais

12 de dezembro de 2016 17:03

Pensei que não chegaria ao final de 2016, com saúde, com alegria e com fé.
Cheguei. Graças a Deus não me faltou nem saúde, nem alegria e nem fé.
Estamos hoje, no sexto dia de dezembro, o Natal de Jesus está se aproximando. Casas, e mais casas estão se enfeitando. Árvores com mil luzes, para mostrar que nossos corações também, estão reluzentes de amor pela bela criancinha que nasceu, cresceu, se tornou um homem – “Deus humano demais”.
Abrir parênteses (que alegria. Acabo de ganhar de Ila Bueno, trazido por Ebe e Bosco, último lançamento de Padre Fábio de Melo. Humano demais. Biografia de Padre Fábio de Melo. Obrigada Ila, obrigada Ebe) fecha parêntese.
No presépio, uma estrebaria, que foi seu primeiro leito, lá na distante Belém, em uma Gruta, em meio aos animais, que tiveram a ventura de assistir o nascimento – o maior, ocorrido na face da terra – que é reproduzido em quase todos os lares para perpetuar a Fé, a Esperança, a Caridade (Amor) que devem ser revividas em nossas vidas.
Que lindo! Jesus deitadinho em seu bercinho. Coxo para os alimentos de animais. Carneirinhos brancos e felizes por emprestarem ao Deus – Menino, o seu comedouro. Feno é o colchão de Jesus. Quantas crianças nascem em cada dia de dezembro? Há 2 mil anos? Algumas nascem na opulência. Outras nascem, como Jesus nasceu.
Só aqui, na minha família, são muitos os nascimentos ocorridos em dezembro. Vou citar alguns. Não digo todos, porque minha capacidade de “lembrar” está enfraquecendo. Tentarei. Erlânia, nora, casada com Ricardo, é a que se aproxima do Natal, dia 21.
Tóia, filha, dia 17. Este ano vem com um evento na família.
Dia 6, dois aniversários, Dilsiana, filha de Ana Nery e Dilson, mora em Belo Horizonte. Será que ela vai comemorar seu grande e feliz dia lá?
Nesse dia, a Maria Elisa, também aniversaria, 15 anos e é formanda.
2 aniversários já se foram.
Dia 3 Gisely, Três Corações. Comemora com seu lindinho filho Rafael e charmoso marido, Zé Alberto.
Henrique, estava conosco no sorvetinho.
Se não chover vamos comemorar tudo na Gelato Mania.
Não choveu. Não vou dizer graças a Deus, porque a chuva é necessária. Estamos em estação chuvosa. E precisamos da chuva, para nossa proteção.
Arar a terra, plantar o grão, germinar, vê-lo crescer, colher. Tudo depende da chuva.
Molhar as pastagens para alimento dos animais, encher os rios por diversos motivos, vou especificar apenas um. A eletricidade.
Não choveu. A única pessoa que sabia da minha intenção de comemorar era a neta Maria Eliza.
Ás 18 horas (6 da tarde), o telefone toca. Estou sempre por perto. Atendi logo.
– Vó, vai ou não vai ter o sorvete?
– Vai sim! 19:30, esteja aqui.
Fui telefonar, convidando.
Chamei Ana Nery duas vezes, não atendeu. Chamei Albinha duas vezes, não atendeu.
Isso quer dizer. Dilsiana e Gi, ficaram sem representantes.
Chamei o Renato. Não atendeu.
É acho que nosso sorvete será apenas para a família de Henrique e Maria Eliza.
Tóia chamou a Bionda para trazer o Samuel (formando) atendeu e aceitou o convite de imediato.
Chegou com os 2 filhos e 2 futuras noras. Ótimo. Gostei.
Nisso o telefone toca. É o Renato perguntando se eu havia chamado.
– Sim, Renato, chamei. Traga o Vinicius, (1ª Eucaristia) para comemorar.
Sorvete, como nos anos passados. Muito bom.
Vitória que estava treinando, chegou a tempo de ser fotografada.
Mais um membro para sorvete de 2017, é lá com a Maria do Socorro, que está só sorrindo. Motivo. Ficou mais idosa e experiente com a chegada de Sofia. Sofia é filha de Glauber e Ana Elisa, neta de Maria do Socorro e bisobrinha minha. Um amor de criança.
Quase todas as pessoas envolvidas na comemoração, estavam lá.
Menos Ana Nery , Albinha e a Alma Gêmea.
Deixa estar que no próximo encontro, todos estarão lá.
Peço a Deus que proteja todas as pessoas mencionadas nesta “crônica”, como diz sempre Maria Regina Santos e eu apelidei apenas como “Descrição”.
Vamos em frente. 2017 está batendo às portas e quer entrar.
Que seja bem-vindo. Vamos recebê-lo com alegria e amor.
Disposição, amizade, coragem não vai faltar, porque…
A fé está no ar!
Beijos, abraços e ternura.
Amém! Amém! Amém!

7


Por Alba Rezende Bastos (D.Iaiá)

 

Compartilhe este artigo