Slide Show


 

Banner

104 anos de Perdões: É sempre assim, dias bons, dias não

Publicado em: 26/09/2016 às 10:59 - Categoria Cultura
Total de visualizações: 668
D.Alba e Maria Regina Feldmann

Não sei porque o dia de hoje, 2ª feira, 19, amanheceu triste, calmo demais, sem graça.12
E eu acompanhei tudo que o dia podia me oferecer. Tristeza, calma demais, falta de graça.
Olho pela janela do meu quarto, onde passo a maior parte de meus dias, e tenho a sensação de que a paisagem não é a mesma de dias passados.
A primavera está para chegar daqui 5 dias. Minhas orquídeas já floresceram, já embelezaram, já meu quintal, e agora, neste dia triste, calmo demais e sem graça, elas não existem mais. Murcharam e caíram. Assim acontece com tudo na vida da gente.
Ontem foi domingo (18/09) o dia que mais glorificamos e celebramos a vinda de Jesus Cristo em nossas almas.
Como acontece sempre, fui à missa, levando as balas para as crianças que esperam, bem comportadas, e atentas a tudo que Padre Jorge fala e repetem trechos do Evangelho.
Maria Regina Santos Feldmann, minha amiga desde a infância (dela) porque fui amiga e companheira de seus pais Titina e Júlio Geraldo, em promoções de caridade. Como é bom recordá-los.
Maria Regina, além de amiga, foi também, minha colega de trabalho no Otaviano. Ela começando sua vida de educadora e eu, já quase terminando meu tempo de professora.
Maria Regina foi comigo, ou eu fui com ela? Não sei.
Pela primeira vez ela participou de Celebração Eucarística na Igreja Matriz da Paróquia de Nossa Senhora das Graças, e gostou: da Missa, da igreja, das pessoas, do local que achou lindo e do Celebrante, que qualificou de Muito Generoso.
O domingo não se parecia em nada com esta segunda-feira.
O domingo, foi alegre. Estava lindo! Teve Missa! Teve aniversário!
Muito bom! Ótimo! Gostei!
Da Missa, já disse tudo, agora vamos ao aniversário. De criança.
Meu 10º bisneto. Um aninho. Lorenzo é o nome dele. Dos pais: Ana Paula e Leandro. Netinho de Ricardo.
Muito alegrinho, Lorenzo aproveitou o dia que era dele. Comeu, tomou coca, brincou, andou a cavalo de mentira, em uma sela? Que enfeita a mesa.
Dos 11 bisnetos, um era o aniversariante. Cinco estavam lá para aproveitar da cama elástica, do escorregador e comer das mais gostosas iguarias.
Ana Luiza é estudiosa, é coroinha e leitora na igreja de Cana Verde.
Leozinho, educado, abraça, beija a mão da bisavó e como diz sua mãe, é o grude do vovô Ricardo.
Alice é “modelo”. Falou em fotografar, logo, logo ela faz uma pose.
Vinicius é craque de futebol e fica suadinho ao aproveitar todos os brinquedos.
Rafael começa assim… assim… depois “desemburra” e brinca a vontade.
Os outros cinco por motivo de distâncias, deixaram para abraçar o Lorenzo depois…
Leonardo (Três Pontas) além de artista do palco, é também, artista da cozinha. Ontem ele fritou coisas de dar água na boca. (olhem o Facebook).
Clara (Três Pontas) “puxou” pela vó. É só pedir uma poesia, e ela está pronta pra recitar. Sabe mais de 12 poesias.
Helena e Marina (BH) são também estudiosas. Marina desenha e Helena descreve o desenho.
Elis, também BH, é a caçula dos bisnetos. Com um mês de idade já mostra que vai ficar bonita como vó Iole.
Agora vou contar pra ver se deu os 11 que disse ter. aprovado 11.
Termino meu trabalho de hoje homenageando Irani, prima querida, que guarda por 79 anos, uma poesia escrita por minha mãe Elvira, em seu Álbum de Recordações. Anos atrás, muitos anos, todo aluno de bom gosto, tinha seu álbum de recordações.
Aproveito o nome da poesia para aumentar um verbo na coleção publicada por Maria Regina na Linha do Tempo. Ofertar.

“Vivo lá muitos a procura de um presente
Que te possa deixar como lembrança
Que fique bem guardado em tua mente.

Procurei entre as flores perfumosas
Uma só do jardim pra te ofertar
E, entre elas encontrei só murchas rosas
E, por isso, outra coisa, quis te dar depois…”

Afinal não encontrei
Uma só coisa, pra te deixar
Depois de procurar tudo, em vão…
Bem no fundo de minh’alma fui achar
Uma oferta. Que é meu coração.”

Estamos na metade do dia. “Eu joguei a tristeza fora” (plagio). Calma, mais ou menos. Sem graça, continuamos. Eu e ele – o dia.
Vou me esforçar para usar nesta semana todos os verbos propostos por Maria Regina: orar, confiar, amar, perdoar, perseverar, lutar e vencer. Se Deus quiser.
Com Força, Fé, Sabedoria e Coragem, Venceremos!
Amém! Amém! Amém!


Por D.Alba Rezende Bastos (D.Iaiá)

 



MAX

PW (1)

anuncie