Família: a Igreja doméstica

7 de julho de 2020 10:03 98

Nos últimos meses, em razão do confinamento e do isolamento social decorrente da pandemia do Coronavírus, muito se tem falado em Igreja doméstica. Em nossas celebrações da Santa Missa temos ouvido, com frequência, que a família é a Igreja doméstica. E o que viria a ser a Igreja doméstica?

O Catecismo da Igreja Católica, em uma seção que abrange os números 1655 a 1658 nos diz sobre a Igreja doméstica.
Em São Paulo, no final da 1ª Carta aos Coríntios, já se falava na comunidade que se reunia em casa (16,19).
Primeiramente, vamos definir o que é a Igreja. A Igreja consiste na comunidade que se estabelece a partir do encontro do povo de Deus com o Cristo. Na comunidade cristã, o ser humano se abre à revelação e à graça de Deus, sendo o batismo o marco inicial desta caminhada.
A família cristã é uma comunidade menor dentro da grande comunidade Igreja, onde também Deus se revela. O matrimônio cristão, sacramento da igreja, é sinal da graça de Deus e a origem da família, na qual os filhos são criados na doutrina e fé católicas.

E, com a chegada dos filhos, através do sacramento do batismo, os pais se comprometem a educá-los na fé, sendo os pais os primeiros catequistas de seus filhos. Nas famílias cristãs, os pais ensinam seus filhos as primeiras orações, ensinam seus filhos a rezar. A criança, logo pequena, aprende a rezar a oração do Pai Nosso, da Ave-Maria e do Anjo da Guarda. Os pais costumam rezar com seus filhos antes das refeições, antes de dormir, ao despertar pela manhã.

A família cristã vive a comunhão com seus membros e também com Cristo, seja no acolhimento ao outro, seja na oração. A família é um ligar privilegiado que reflete a própria Igreja universal. É no lar que surge a primeira escola da vida cristã, as primeiras lições de vida, as primeiras lições do enriquecimento humano. É no seio da família que se aprende o amor ao trabalho, a fraternidade entre os irmãos, o perdão e a oração.
Cristo nasceu no seio de uma família, a Sagrada Família de Nazaré e nos nossos dias, onde muitas pessoas são estranhas à fé, as famílias cristãs são de grande importância na disseminação da fé viva e irradiante.
A despeito de a pandemia do Covid-19 ter causado tantas mortes e grandes sofrimentos, o isolamento domiciliar tem permitido à família, pequena Igreja, Igreja doméstica, resgatar a sua fé, através da oração e do amor fraterno. E os sacerdotes têm cumprido sua missão evangelizadora, levando o alento ao povo de Deus através das celebrações, dos aconselhamentos, principalmente por meio das redes sociais.

Temos visto, nos últimos tempos, um multiplicar de igrejas, de altares. Nestes tempos de isolamento, a Igreja não se encontra reduzida, pelo contrário, a Igreja se multiplicou.
Louvado seja Deus por isto!

Paróquia Nossa Senhora das Graças/Perdões-MG

Colaboradora: Joana D´arc do Carmo Eurico Morais Penido

Compartilhe este artigo